Diabetes e Úlceras no Pé

Entre as complicações crônicas da diabetes, uma das mais graves são as lesões nos pés, conhecidas como pé diabético. As úlceras ocorrem devido à neuropatia periférica e à doença vascular periférica. Estima-se que, dos pacientes diabéticos com úlcera no pé, 60 a 70% deles tem como causa da lesão a neuropatia periférica. A maioria dos […]
diabetesnepuga Entre as complicações crônicas da diabetes, uma das mais graves são as lesões nos pés, conhecidas como pé diabético. As úlceras ocorrem devido à neuropatia periférica e à doença vascular periférica. Estima-se que, dos pacientes diabéticos com úlcera no pé, 60 a 70% deles tem como causa da lesão a neuropatia periférica. A maioria dos trabalhos científicos monstram que as infecções em membros inferiores e amputações são as maiores responsáveis por hospitalização, incapacidade, morbidade e mortalidade entre pacientes com diabetes.   Como elas aparecem?   feridasa4O paciente, portador da doença, apresenta problemas na circulação do sangue nos seus peso que leva à redução do fornecimento de oxigênio e nutrientes e às alterações na resposta inflamatória, nas defesas imunológicas e do processo de cicatrização. A neuropatia é o resultado da danificação crônica dos nervos periféricos dos pés. O distúrbio mais comum, a polineuropatia periférica distal causa a perda da sensibilidade a estímulos da dor, tato e de calor, dolorosos, táteis e térmicos, representando a maior parte das seqüelas em diabéticos. Como resultado, qualquer infecção no pé pode tornar-se sério. Sem tratamento, infecções graves podem fazer a carne do pé gangrenar.   Sintomas Inchaço, vermelhidão, dor são os primeiros sinais que o corpo dá. Começam a surgir feridas na sola do pé que se curam e voltam a aparecer no mesmo lugar. Se não tratadas, pode haver morte tecidual no local e a pele escurecer.   feridasTratamento O uso de antibióticos ou outros medicamentos podem ser necessários para colocar sobre a ferida ou parte infectada. O medicamento combate a infecção. Pode ser necessário a hospitalização para tratamento do ferimento. Se os antibióticos não surtirem efeito  na área infectada e ulcerada, pode ser necessária a remoção da carne infectada por meio de intervenção cirúrgica  e no caso de haver gangrena, pode haver a necessidade de amputar parte ou todo o pé. Como prevenir as complicações nos pés de diabéticos
  • Observe os pés todos os dias;
  • Verifique o pé com ao final de cada dia, áreas avermelhadas, cortes, ou arranhões que podem sofrer infecções.
  • Lave os pés todos os dias com sabão e água morna, seque-o cuidadosamente, especialmente entre os dedos;
  • Aplique lanolina após seus pés estarem secos para manter a pele macia e livre de calos;
  • Mantenha-os secos polvilhando talco sobre eles;
  • Não trate de calos por conta própria;
  • Corte as unhas do pé cuidadosamente,
  • Vista meias de algodão ao ir dormir
  • Evite calçar sapatos novos por mais de uma hora
^A447811EB76D2A435A547798D5C3E4DA99ECDD7D3CFD7BEC5B^pimgpsh_fullsize_distr

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

© Copyright 2013-2021. Portal da Enfermagem Estética.