Enfermeiro naturalizado americano dá depoimento sobre especialização dos não-médicos em estética

Durante sua passagem pelo Brasil para o 1º Congresso Brasileiro de Enfermagem Estética o enfermeiro brasileiro, Herb de Souza Neto, naturalizado americano escreveu um depoimento para os Conselhos Federais de profissões não médicas, incluindo o COFEN sugerindo medidas de cursos e especializações que tornem esses profissionais mais independentes e desafoguem o sistema de saúde como um todo. […]
Durante sua passagem pelo Brasil para o 1º Congresso Brasileiro de Enfermagem Estética o enfermeiro brasileiro, Herb de Souza Neto, naturalizado americano escreveu um depoimento para os Conselhos Federais de profissões não médicas, incluindo o COFEN sugerindo medidas de cursos e especializações que tornem esses profissionais mais independentes e desafoguem o sistema de saúde como um todo. Leia na íntegra o depoimento do Dr. Herb: “Sou um enfermeiro nascido em São Paulo, Brasil, mas naturalizado americano. Obtive meus estudos em Enfermagem nos Estados Unidos (US) desde 1993 North Idaho College (NIC) – Associate Degree in Nursing (ADN). Em 2012 graduei pela University of South Alabama (USA) como Women’s Health Nurse Practitioner – Board Certified (WHNP-BC). Completei meu doutorado em 2015 na Chatham University. Atuo na aera de medicina estética e de Wellness desde 2001 nos estados do Texas e Florida. Estou de passagem no Brasil a convite da Dra. Ana Carolina Puga para fazer parte do Congresso e fiquei sabendo de uma diretriz do Conselho Federal de Medicina contra outros profissionais da saúde lidando com medicina estética. A representante deste Conselho, em entrevista, alegou que outros profissionais da saúde não poderiam lidar com a estética embora tendo tido cursos de pós-graduação porque não estão habilitados a lidar com problemas que esses procedimentos possam acarretar. Sendo praticante dessa especialidade por vários anos, sei que problemas podem ocorrer e que devemos estar preparados. No US, Nurse Practitioners (NPs) e Physician’s Assistants (PAs) podem prescrever e controlar pacientes senão independentemente dos médicos, pelo menos com supervisão ou colaboração indireta. Enfermeiros (RNs) não podem e têm que ter supervisão as vezes mais direta. Não há no US a profissão de Biomédico especificamente, e são muito poucos farmacêuticos atuando na estética. Gostaria de propor as seguintes sugestões: 1) Montar a nível de pós-graduação, aulas nas quais os quatro profissionais (biomédicos, farmacêuticos, enfermeiros e dentistas) sejam autorizados a prescrever medicamentos independentemente dos profissionais de medicina. 2) Para tal, fazer aulas avançadas (pós bacharelato) de Farmácia com informações sobre todas as classes de medicamentos. Exame físico completo que possibilitem e promovam a formação de diagnósticos não só de enfermagem ou de outras especialidades, mas sim diagnósticos médicos. Finalmente, área de Pato fisiologia onde cada doença seja desenvolvida associada as duas classes anteriores. Assim são as aulas para NPs e PAs lá nos US. 3) Essas sugestões abririam também oportunidades não só na estética, mas também na atuação da saúde em geral onde esses profissionais poderiam desafogar os hospitais e centros médicos fazendo uma melhor colaboração com os médicos. Esses profissionais estariam sendo treinados para referirem casos menos comuns para os profissionais da área médica. 4) Ao final desse ano de curso, esses profissionais fariam uma prova para poder receber um certificado e então estar habilitados a fazer prescrições e manejar pacientes da área de estética ou outras áreas. Eliminando assim o problema atual. 5) Uma última alternativa, temporária, seria a criação para os profissionais habilitados na estética fazerem parcerias com médicos interessados. Assim, os médicos passariam a assumir responsabilidade conjunta sobre esses pacientes como colaboradores ou supervisores. 6) Sei que especialmente na enfermagem, há uma ideia contrária à educação online. Gostaria de propor que o método é eficiente pois fiz cursos dessa maneira na parte teórica. A pratica, assim como quaisquer cursos fazemos em locais públicos e privados com vários profissionais. Uma alternativa parcial seria a de fazer a parte pratica assim como descrita anteriormente, mas a parte teórica online e com aulas presenciais a cada mês. Essas aulas online poderiam também ser síncronas (aulas online num determinado horário por semana, eliminado a necessidade de visitas presenciais) ou assíncronas (com maior autonomia para os estudantes)”. Sinceramente, Dr. Adherbal “Herb” De Souza Neto, DNP, WHNP-BC,MEP-C Shining Way Esthetics & Wellness

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

© Copyright 2013-2021. Portal da Enfermagem Estética.