Atualmente, cerca de 125 milhões de pessoas no mundo são portadoras de psoríase. A psoríase, assim como o vitiligo e muitas doenças de pele, não é contagiosa e pode ser muito bem controlada.

A enfermagem tem significativa atuação para que a população portadora e seus familiares compreendam a doença. É muito importante esclarecer sobre a evolução da psoríase, seus fatores desencadeantes, os tratamentos disponíveis e também sobre o envolvimento emocional que existe.

O enfermeiro especializado em dermatologia além de oferecer um cuidado especializado, orienta o paciente sobre a etiologia da psoríase, pois é a falta de informação que provoca a discriminação. (A especialização em Dermatologia tem o aval da Sociedade Brasileira de Enfermagem em Dermatologia).

No cuidado a estes pacientes, ainda cabe à equipe de enfermagem aliviar a dor e o desconforto provocado pelas lesões, além de prevenir o aparecimento de outras; prevenir e combater infecções e manter o equilíbrio térmico, hídrico e eletrolítico de seu cliente. Outro importante aspecto para o sucesso do tratamento é a relação de confiança estabelecida entre os envolvidos. Por se uma doença crônica, as pessoas sofrem o desgaste natural deste tipo de processo e é de extrema importância que o enfermeiro tenha habilidade para lidar com este momento.

O que é

A psoríase é uma doença inflamatória crônica da pele que se manifesta, na maioria das vezes, por lesões avermelhadas. Alvo de muito preconceito, a doença não é contagiosa e não atinge órgãos internos. E uma doença benigna, crônica, relacionada à transmissão genética e que necessita de fatores desencadeantes para o seu aparecimento ou piora (principalmente no inverno).

Causa

As lesões podem ser causadas por vários fatores, como a reação a medicamentos, infecções, ferimentos na pele e, principalmente, o estresse.

Áreas afetas

As áreas mais afetadas são cotovelos, joelhos, couro cabeludo, costas e umbigo. Em mais de 50% dos casos a psoríase pode atingir as unhas, sendo uma de suas principais características o descolamento da unha (onicólise).
Uma pequena parcela da população de pacientes pode apresentar a artrite psoriática, com inflamações nas cartilagens e articulações, que causa dor, dificuldades nos movimentos e alterações na forma das articulações.

Sintomas

As lesões são muito típicas, com períodos de exacerbações e remissões, localizados principalmente em superfícies de extensão como joelhos e cotovelos, couro cabeludo, palmas das mãos, sola dos pés (áreas de maior traumatismo). Os quadros de psoríase recebem sua denominação conforme sua localização e aspecto, que podem ser: Psoríase Vulgar; Psoríase Invertida; Psoríase Gutata; Psoríase Eritrodérmica; Psoríase Ungueal; Psoríase Artropática; Psoríase Pustulosa; Psoríase Palmo-Plantar;

Tratamento

A psoríase não tem cura, mas há tratamentos com o uso de pomadas e cremes ou mesmo medicação sistêmica. Casos leves a moderados (75% a 80% dos casos) podem ser controlados com medicação de uso local na pele. Os casos mais severos e extensos requerem uma abordagem mais controlada e agressiva, com medicações de uso oral em esquema rotativo, visando o mínimo de efeitos colaterais de cada medicação e uma tolerabilidade maior do paciente com o esquema proposto. A exposição moderada ao sol e a hidratação contínua da pele são importantes para a maioria dos pacientes.

Cuidados

– banhos de sol nos horários entre 7 e 10 horas e após às 16 horas são benéficos para a remissão da psoríase;
– o paciente não deve usar substâncias sistêmicas ou tópicas (ex: ervas) sem orientação médica, nem mesmo antiinflamatórios, beta-bloqueadores, antimaláricos e lítio;
– não deve puxar as escamas da pele e nem “esfregá-las” durante o banho, pois isso pode resultar em traumatismos (Fenômeno de Koebner);
– os banhos não devem ser nem muito quentes e nem muito frios;
– as unhas de uma pessoa com psoríase devem ser aparadas regularmente;
– para evitar o ressecamento e fissuras na pele, é indicado utilizar emolientes, desde que prescritos pelo médico;
– durante o tratamento sistêmico está proibida a ingestão de bebida alcoólica.

Variantes clínicas

→ Vulgar – é a forma mais comumente encontrada. As lesões típicas (placa eritemato-escamosa, delimitada, de formato arrendondado a oval, de 1 cm ou mais de diâmetro) podem estar presentes no couro cabeludo, cotovelos, região umbilical, sacra, prega interglútea, genitália e joelhos.

→ Invertida – localizadas nas áreas de flexão, como axilas, antecubital e poplítea.

→ Ungueal – quando ocorre comprometimento das unhas.

→ Gutata – caracterizada por lesões eritemato-escamosas pequenas e arredondadas, presentes predominantemente no tronco.

→ Pustulosa – acompanhadas por pústulas e o cliente pode apresentar febre e mal estar geral.

→ Eritrodérmica – acomete toda a superfície da pele.

→ Artropática – seguida de artropatia inflamatória crônica associada a lesões cutâneas da psoríase.

Deixe aqui seu Comentário

1 COMENTÁRIO

Comente abaixo! Extravase!! Liberte-se!!! Faz bem pra pele e pra alma!!!!

Please enter your comment!
Please enter your name here

Loading Facebook Comments ...
Somos apaixonados pelo que fazemos e fazemos tudo por amor. Nosso compromisso é apenas com a verdade e com o que acreditamos e defendemos – a enfermagem estética é legítima, um direito e expressão de liberdade do enfermeiro, do enfermeiro esteta, do graduando de enfermagem e, principalmente, de toda a sociedade beneficiada com as informações aqui divulgadas e como caminho de beleza e auto-estima.

Deixe aqui seu Comentário