Enfermeiros especializados do Reino Unido fazem operações cardíacas no Hospital de Southampton

O Sistema Nacional de Saúde britânico (NHS, por sua sigla em inglês) deu um passo adiante para capacitar a tarefa de cuidados de enfermeiros especialistas, através da implementação de pequenos procedimentos cirúrgicos.

Segundo a revista Nursing Times , enfermeiras especializadas do Hospital de Southampton realizaram uma pequena operação dentro do serviço de cardiologia do hospital.

“Com enfermeiros podemos acelerar o acesso ao atendimento cirúrgico para pacientes”

É um paciente com problemas de ritmo cardíaco que requer a inserção de um monitor para identificar as mudanças que o seu coração experimenta. Estes problemas referem-se a quando o coração bate muito rápido, muito lento ou irregularmente.

O dispositivo que as enfermeiras colocaram sob a clavícula do paciente com anestesia local é chamado Reveal Linq , e é do tamanho de um clipe de papel.

Expandindo tarefas aos profissionais enfermeiros

Para chegar a esse ponto, os enfermeiros tiveram que superar um longo processo de treinamento que agora lhes permitiu realizar essas pequenas operações cirúrgicas, sob a supervisão de um especialista em cardiologia. Legal, né?

“Nossas enfermeiras na área de cardiologia receberam treinamento extensivo para implementar esses dispositivos de forma independente. O objetivo é expandir continuamente suas tarefas e as funções do nosso serviço de Cardiologia. É importante ressaltar que, além de ampliar as habilidades de nossa equipe clínica, este serviço liderado por uma enfermeira garantirá a aceleração do acesso ao atendimento cirúrgico do paciente, liberando o tempo de consulta”, conclui Wagas Ullah , cardiologista do Hospital Universitário de Southampton.

Precisamente, essa progressiva incorporação da Enfermagem na sala de cirurgia está de acordo com um relatório do Royal College of Surgeons do Reino Unido.

No documento afirmam a necessidade de treinar e incorporar profissionais de enfermagem neste tipo de práticas cirúrgicas, uma vez que “o atendimento ao paciente é melhorado”.

Como fica a situação da Enfermagem Estética no Brasil?

Enquanto no Reino Unido os enfermeiros especializados podem realizar uma cirurgia cardíaca, no Brasil não podemos fazer um procedimento minimamente invasivo? Como assim?

Em hospitais realizamos procedimentos bem mais invasivos do que uma aplicação de toxina botulínica ou preenchimento, e porque isso não é possível na área da saúde estética? Estanho, não?

Enfermeiros migrando para as práticas integrativas

Além da área da saúde estética, os enfermeiros estão migrando para a área das práticas integrativas, com tratamentos terapêuticos.

Veja também: 80% dos problemas na Atenção Básica podem ser tratados com práticas integrativas

Afinal, você já conhece a área das Práticas Integrativas? Tem curiosidade em saber mais? Clique no banner abaixo, mude de vida e surpreenda-se com essa nova área promissora.

BANNER PÓS GRADUAÇÃO PRÁTICAS INTEGRATIVAS E LONGEVIDADE SAUDÁVEL

Deixe aqui seu Comentário

66 COMENTÁRIOS

    • Temos que lutar aqui . melhorar nosso atendimento pois que só ganha é o paciente agora comparar Brasil com Inglaterra, Europa e afins é um profissional que não ama sua profissão somos tão capacidados igual aí até melhor que lá fora vms lutar sim para termos melhores condições de trabalho ficar no nosso tratamento pois estudarmos para dar uma condição mais humanizada na parte de operações deixarmos para os médicos se eles faça ou não o trabalho deles como se deve tem o órgão competente para fiscalizar temos quw parar de querer dar palpites em outras áreas na qual não estudamos

  1. Cada um no seu lugar! Enfermeiro é de suma importância para a saude, mas não deve querer atuar como médico. Se quiser, tem que fazer 6 anos dr faculdade e mais 10 de especializações. Não ao charlatanismo.

    • atualmente nem médicos atuam mais como médicos e sim como mercenários e charlatões! é por isso que as outras profissões da saúde vão ocupando espaços! chega de médico incompetente! muito burro mesmo, como se quantidade de tempo de estudos fosse igual a qualidade. Richard vc é um vagabundo!

      • Pura vdd, é desesperador trabalhar com esses médicos despreparados, pense num plantão sofrido, a sorte é que temos muitos enfermeiros experientes e técnicos de enfermagem, para n deixar o povo morrer com condutas que por muitas vezes são hilárias.

      • Se a formação de enfermagem aqui fosse ao menos próxima à da Inglaterra ou USA e outros países europeus… Mas passa muito longe!
        E este procedimento não é uma cirurgia propriamente dita e sim implantação de um dispositivo (CDI ou marca-passo) subcutâneo.
        Outro ponto, não é só por que o estudo da medicina dura 6 anos e a enfermagem 4, o conteúdo e o enfoque das matérias dos últimos anos são diferentes!
        Quer fazer procedimento, atualize a enfermagem no Brasil então!

      • Eu como enfermeira adorei sua resposta, não é a quantidade de anos estudados que dita a competência de um profissional, existem enfermeiros que também estudam até 10 anos…. Nossa faculdade já são 5 anos e qualquer especialização feita nada menos q dois anos… Conheço médicos excelentes e incompetentes, mal educados que tratam mal o cliente com 12 anos de estudo

      • Quantidade de tempo de estudo é diretamente proporcional a qualidade e competência sim! Pela maneira como vc se expresse vc não deve ser muito relacionado ao estudo da medicina e, muito provavelmente, adoraria ter o menor dos salários que algum médico possa receber. A questão é: nós médicos estudamos MUITO para chegar onde chegamos, especialmente áreas cirúrgicas. São 6 anos de faculdade, especialização em cirurgia geral, vascular e por ai vai… Da uns 10 anos fácil fácil… E eu digo isso como alguém que já passou por isso, se vc pegar neurocirurgia, o cara chega a 12 anos! E vc quer me dizer que tempo de estudo não se relaciona? De verdade, cada um pretendeu uma carreira, se esforçou para entrar, concluir a faculdade que escolheu ja tendo em mente o futuro profissional que estaria pela frente… E outra, comparar médicos a mercenários? Por favor né, uma coisa é o cara ser capacitado e cobrar o valor que quiser pelo serviço, quem escolhe se quer pagar é você… Casos de médicos sem capacitação trabalhando em areas extremamente especializadas sao a exceção da exceção, a questão é que ganham mais mídia, apenas isso… Se vc quer ter um salario de um médico, quer atuar como um médico, se esse é seu sonho, corra atrás! Estude pro vestibular, passe 6 anos na faculdade e mais 4/5 para se especializar em alguma area cirurgica e depois me diz se continua concordando com o que falou agora! Flw! Abraço!

    • Enquanto houver no Brasil esse pensamento “de cada um no seu lugar” , não iremos caminhar adiante . Valorizar as profissões é de suma importância, agregar conhecimentos e práticas á todos os profissionais , sejam de qualquer área é muito mais importante, só tem a somar. Por causa de ” cada um no seu lugar” é que a picaretagem impera aqui no Brasil, principalmente na medicina.

      • Noh , o comentário mais sensato que li até agora, parabéns por pensar assim rapaz, concordo demais com você. Temos que ser uma equipe multiprofissional para ajudar o paciente

    • Charlatanismo é um ser fazer 06 anos de Medicina e sair da faculdade sem se quer saber aferir uma P.A, sem saber identificar um IAM, sem saber atender um paciente vitima de FAF ou trauma,conforme apontou o CRM do RJ, médicos não conseguiram realizar uma prova básica de conhecimentos mínimos para iniciar a profissão de médico, choca muito pensar que estes charlatões de diploma assinado ao se formarem irão trabalhar nas UPAs atender os pacientes em estado crítico, estou cansada de ver inocentes pagarem preço alto para que os charlatões diplomados façam escola nas portas de emergência e mais uma vez quem paga é o pobre que não tem dinheiro para se tratar no Albert Einstein.

      • Eu passei 4 anos em período integral, fiz outras 4especializaçoes e continuo Enfermeira….. 5anos em período simples é pouco! 6anos de medicina,é pouco! Já tive R1 comigo que abria o “blackbook” na cara do paciente…. Se fosse agora com aplicativos….🙄 E outro ser que a dizia formado, mas em habilidade/competência, eu queria um aluno de internato comigo….

    • Sou enfermeira e Deus me livre querer ser médica, amo a minha profissão. A enfermagem está expandindo e vai continuar enquanto a medicina permanece no mesmo lugar por causa de pessoas com o mesmo pensamento que o seu.

  2. Enfermeira no Brasil além de ser uma profissão desrespeitada pelos profissionais de saúde não tem valorização nenhuma. Isso é uma vergonha e triste realidade

  3. Excelente, acredito que a enfermagem tenha total competência, mas para isso, é necessário muito estudo e dedicação. Precisa melhorar a cultura de uma enfermagem pratica para científica e prática. Poder é conhecimento.

  4. Muito bom! Não sei porque esta idolatria pelos médicos, pois tem muitos deles que não se atualizam, e ficamos mercê das populares “viroses” e ninguém investiga nada, 6 anos estudando pra não saber diagnosticar um paciente… Outra coisa, operações acontecem desde que o mundo existiu e não necessitou de 6 anos pra ser chamado de médico! Ambos papeis são importantes, pois se não fosse não existiria sala de medicação e pronto atendimento, e sim que passase na sala do médico e pedisse pra ele medicar e dar os cuidados 😉

    • Falou tudo… Tem q acabar c esse monopólio dos médicos…Se pelo menos prestassem um serviço de qualidade.. dão um atendimento vergonhoso baseado em quanto o paciente tem p pagar..

  5. Tbm concordo totalmente em enfermeiro realizar esses procedimentos, mas deu problema assuma o caso até o fim e responda cível e criminalmente se ocorrer algum problema maior. Realizar procedimento e depois pedir pro médico revisar é fácil.

    • Concordo! O enfermeiro não tem que depender de médico para assumir nenhum procedimento que faça. Se está capacitado e é respaldado pelo Conselho a fazer um procedimento, é ridículo que um médico tenha que acompanhá-lo ou assumir qualquer complicação . O trabalho é em equipe, mas cada profissional deve assumir a responsabilidade pelo que faz. Ou é totalmente capaz de assumir sozinho ou o procedimento é do médico. Médico não é chefe de enfermeiro! Não aceito que um enfermeiro faça um procedimento que necessite ser supervisionado por um médico. Cada coisa no seu lugar. Isso só dá margem para que o enfermeiro seja menos respeitado e valorizado. O enfermeiro tem um papel muito mais abrangente que um pequeno procedimento cirúrgico.

    • Então, caro colega, o trabalho tem que ser em equipe, aprenda a respeitar as outras classes, pois um hospital sem equipe de enfermagem não é hospital, vc mesmo deve chamar o enfermeiro o tempo inteiro… assuma uma PCR sozinho, faça vc mesmo o cateterismo vesical, puncione uma veia para administração de medicamentos, colete a gasometria arterial e venosa, faça o parto que chegou no PA… enfim, vc precisa do enfermeiro? Se não, parabéns. Mas se vc precisa, aprenda a ser mais humilde e com certeza terás uma parceria de qualidade. Abraço!

  6. Charlatanismo é um ser fazer 06 anos de Medicina e sair da faculdade sem se quer saber aferir uma P.A, sem saber identificar um IAM, sem saber atender um paciente vitima de FAF ou trauma,conforme apontou o CRM do RJ, médicos não conseguiram realizar uma prova básica de conhecimentos mínimos para iniciar a profissão de médico, choca muito pensar que estes charlatões de diploma assinado ao se formarem irão trabalhar nas UPAs atender os pacientes em estado crítico, estou cansada de ver inocentes pagarem preço alto para que os charlatões diplomados façam escola nas portas de emergência e mais uma vez quem paga é o pobre que não tem dinheiro para se tratar no Albert Einstein.

  7. Os novos cursos de Enfermagem se aproximam muito da medicina. Falo isto pq sou enfermeiro e estou cursando medicina agora. Hoje vejo que os médicos não sabem nada da Enfermagem.

  8. A formação do enfermeiro é totalmente diferente no Brasil. Se quer atuar como médico faça 6 anos de faculdade de medicina e 3 de residência.

    • ou atualiza o curso de enfermagem né? parece que tem um enfermeiro que comentou aqui no artigo que está fazendo medicina e não é assim como vc e os médicos subestimam… antes de mandar alguém fazer isso ou aquilo, tenha conhecimento de causa para discutir sobre o assunto… saiba que nem mesmo médicos (conselhos de classes médicos) têm competência pedagógica-acadêmica para julgar o currículo de uma graduação em enfermagem. Isso é atribuição exclusiva do MEC.

  9. Concordo, desde que haja um enfoque aprofundado dessas práticas nos cursos e que seja exigido uma pós na área, pois tem que ser capaz de intervir caso de problemas, coisa que não e difícil acontecer, tá na hora da enfermagem crescer para os lados tbm, muita coisa da área médica fazemos de olhos vendados, basta apenas bom senso para que se crie resoluções e mudanças na legislação da profissão, a enfermagem alimenta a cada dia de novos profissionais o mercado de trabalho já bastante saturado, e preciso uma mudança na política educacional e do mercado de trabalho juntamente com a legislação do código de ética sobre tais procedimentos.

    • Acho que se tudo fosse sus e não tivesse pacte particular, os enfermeiros poderiam fazer muito mais procedimentos, a questão é o dinheiro e não conhecimento.

  10. Nossa, esse procedimento aí está LONGE de ser uma cirurgia cardíaca! É um implante subcutâneo sob anestesia local! Não chega nem perto do coração!
    Que matéria mal escrita kkkk
    Aí chega querendo comparar com prática estética, oi?????
    A questão não é ‘poder fazer’ fazer qualquer um faz! Mas sabe tratar a complicação? Sabe tratar um abcesso que se forma?uma lesão de nervo? Drenar Um pneumotórax? Conter uma hemorragia? Rafiar uma artéria? Tratar uma embolia ou uma arritmia caudadas por alguma substância que foi infundida em local errado?
    Se souber pode fazer! Pq… é aquela coisa … quando da certo ‘nossa fui eu que fiz’ quando dá errado: socorro, chama o médico!!!!
    Se quer fazer o procedimento, saiba tratar a complicação … entendeu porque são graduações diferentes? Porque são atribuições diferentes… não haveria razão pra existirem as diversas profissões se todo mundo pudesse meter a mão nas atribuições do outro.

      • Quando da errado com o médico se ele for humilde e honesto busca ajuda na equipe seja médica ou de enfermagem, se não for o pcte morre mas “é normal” pq afinal todos os procedimentos tens seus riscos! Parece piada, porem é a realidade que vejo a cada plantão que tenho nas emergências de um PS Geral na periferia de Sp

    • Tem razão a Camila, o título da matéria “Operações Cardíacas” está bem tendencioso e não representa o que realmente está descrito no conteúdo do artigo.

      • quer dizer então que “instalar” um marca passo num paciente não chega a ser tão complexo quanto uma operação cardíaca? como deveria então ser chamado tal “operação”? talvez por “intervenção cardíaca”…. “mini operação cardíaca”? o que afinal?

    • Percebe-se que vc é uma “profissional” arrogante. Vc precisa da enfermagem e muito, pare de orgulho idiota. Somos uma equipe e ninguém tem que desmerecer ninguém. Não sei a sua especialidade e se vc tem, é claro. Sou enfermeiro Obstetra, sei o que é fazer uma episiotomia e episorrafia, atendemos e com maestria uma hemorragia pós-parto, na distócia de ombro todos correm para ajudar, inclusive na maioria das vezes é conduzida pelo enfermeiro… então querida, vamos nos unir pela qualidade de assistência e bem estar do paciente, e não por disputa na profissão. Abraço!

  11. Se no Reino Unido isso está acontecendo, então é por quê realmente um enfermeiro tem a capacidade, um país de primeiro mundo jamais iria implementar um procedimento sem a devida certeza da competência dos enfermeiros

  12. Fiz enfermagem e medicina! Sei da atribuição de uma categoria e da outra!
    A forma como é colocada a matéria tange ao absurdo! Especializem-se em cuidados, este é o foco da enfermagem. Se querem ser cirurgiões, dermatologistas ou plásticos, o caminho é recomeçar, assim como eu fiz! 🙂 Seis anos de faculdade + cinco de especialização!

  13. Entendo que a enfermagem, merecidamente, conquista espaço com esses avanços pensando sempre na segurança dos usuários. É importante lembrar que muitos médicos têem o diploma de medicina, porém não sabem se quer examinar um paciente, coisa que a enfermagem faz com maestria desde as suas raízes. Se no Reino Unido ( país de 1 mundo) o enfermeiro tem espaço para essa abordagem cirúrgica de pequeno porte é porque têem o reconhecimento não só da instituição ao qual trabalha, mas também médica. Avante enfermagem, orgulho de ser enfermeiro.

  14. Esqueceram-se que o Reino Unido é o berço da Enfermagem? É que o Enfermeiro é o profissional mais respeitado naquele país!? Quanto ao implante de marcapasso é sim um procedimento cirúrgico que oferece riscos na sua execução. O fato de ser mais simples que uma revascularização do miocárdio não a desmerece enquanto ato cirúrgico. Tanto é que, aqui no Brasil, quem realiza esse procedimento é o cirurgião cardíaco. Está nascendo a campanha “Nursing Now” da da OMS, que visa capacitar e valorizar o enfermeiro para as demandas de saúde. Sim! Significa proporcionar melhor formação é maior abrangência de procedimentos. É claro que em países de 3º mundo como o Brasil, onde há monopólio de determinadas profissões e preconceito da população, isso é complicado! A especialidade cirúrgica, hoje tão “endeusada” um dia foi um trabalho espúrio, que os médicos não queriam fazer. Só ganhou notoriedade porque os “barbeiros” , antigos cirúrgioes, lutaram muito para serem valorizados e chegarem ao patamar de médicos! Nós enfermeiros não queremos ser médicos. Mas queremos garantir as demandas não supridas por aqueles profissionais que esqueceram-se do juramento que fizeram. Os países de primeiro mundo tem o “enfermeiro de prática avançada” que é um profissional autônomo, não depende do médico para suas condutas. No Brasil, já temos enfermeiros atuando em consultórios. E temos muitos enfermeiros altamente capacitados, dispostos a ir onde ninguém quer. Somos especialistas em uma coisa que nos faz únicos: humanismo!

  15. Bom dia colegas. Sou técnico Enf. Terapia intensiva e urgência e emergência. Teríamos que capacitar melhor o enfermeiro para tal procedimento. Exemplo, entubar um vítima. A enfermeiros que fazem com mais facilidade que médicos. Mas não tem ciência da anatofisiologia do sistema pulmonar para tal procedimento. Podemos saber fazer mas é um risco que não cabe a nós. Eu sei suturar melhor que muito médico, aprendi em mesas de cirurgias de 8 a 10 horas de cirurgia, onde que nos aqui sabemos que quem fecha o paciente são os instrumentadores e auxiliares da cirurgia. Não cabe a nós fazer mas sabemos. Então o país precisa incluir na didática conteudos mais profundos em anatomia, fisiologia, se quer que enfermeiros peguem bisturi na mão.

  16. Assim como a medicina, a enfermagem termina a graduação com os todos generalistas, isto é, sabe-se de tudo um pouco e ao mesmo tempo não sabemos nada. Por isso devemos nos especializar em determinada área de atuação, assim como os médicos, fisioterapeutas, entre outros profissionais da saúde. Atuo como enfermeira há 16 anos, estudo até hoje, nunca parei, já vivenciei muitas coisas nestes anos, profissionais excelentes na medicina e na enfermagem, assim como outros que são um desastre. Acredito que juntos poderíamos oferecer saúde à população com muito mais qualidade e segurança se unificássemos nossos conhecimentos e experiências. Muitas vezes o enfermeiro tem mais facilidade ou manejo para determinados procedimento que o médico,e o contrário também acontece, isso não está necessariamente relacionado aos anos de faculdade, ao conhecimento, mas a junção da habilidade manual e do conhecimento de cada um. Assim como temos especialistas na medicina, temos na enfermagem. O que precisamos, é nos conscientizar que precisamos estudar muito, não para sermos melhores que médicos, mas para que Sejamos o melhor naquilo que escolhemos fazer. Eu escolhi enfermagem e quis ser a melhor naquilo que escolhi. Tenho certeza de que muitos colegas médicos não pensam assim, se pensavam mudaram de opinião quando me conheceram. Quanto ao médico supervisionar o enfermeiro, isso não existe, cada profissional responde pelo seu conselho de classe, seja COREN, CRM, CRF, CRO, entre outros. Somos autônomos e responsáveis pelo que fazemos de certo e de errado e o que nos respalda é fazer apenas o que sabe e registrar em prontuário para nós respaldar.

  17. Sou enfermeiro. Conheço médicos de emergência que não sabem nem eletrocardiograma.. aliás arrisco dizer que a maioria só sabe ver infarto.
    Incompetentes!!!
    Depois querem dizer que nós não podemos evoluir nossos conhecimentos.

  18. Lindooo… todos que concordaram são enfermeiros , não preciso nem ler um por um os comentarios.
    Todos muitos capacitados e intelectualizados para esse tipo de tarefa, não é!?

    acorda bando de asnos !!!
    Aqui o medico prescreve alimentação parenteral e os burros &%# cosseguem colocar isso na veia e não na sonda!
    Matam crianças e adultos por pura irresponsabilidade!
    OLHEM-SE NO ESPELHO E COLOQUEM-SE NOS SEUS LUGARES.

    • Mas dieta parenteral é pela veia mesmo, preferencialmente por acesso central. Não por sonda. E outra coisa, tenha cuidado ao dizer que nós “matamos adultos e crianças por pura irresponsabilidade”, pois, se você não for uma profissional da área, não tem capacidade para entender o que gira em torno dessa sua frase. E pelo seu português escrito, também já entendi que você não tem a mínima ideia do que é ser um enfermeiro.

  19. Infelizmente a enfermagem brasileira não cresce como merecemos e precisando pq somos desunidos. Um pouco que conseguimos avançar, vemos os próprios enfermeiros criticando e negativando o avanço. Isso é triste. E é nosso carma.

Comente abaixo! Extravase!! Liberte-se!!! Faz bem pra pele e pra alma!!!!

Please enter your comment!
Please enter your name here

Loading Facebook Comments ...
Somos apaixonados pelo que fazemos e fazemos tudo por amor. Nosso compromisso é apenas com a verdade e com o que acreditamos e defendemos – a enfermagem estética é legítima, um direito do enfermeiro, do enfermeiro esteta, do graduando em enfermagem e, principalmente, de toda a sociedade beneficiada com as informações aqui divulgadas e como caminho de beleza e elevação da auto-estima.

Deixe aqui seu Comentário